Somos cada vez mais independentes | Plug & Play
640
post-template-default,single,single-post,postid-640,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Somos cada vez mais independentes

Texto por Bruno VicenteEnergy & Charging Manager @ ZEEV

Nos dias que correm, fará sentido dependermos de terceiros, para acender a luz em nossa casa?
Viver com a preocupação do valor de uma factura, quando temos uma fonte de energia inesgotável a incidir diariamente sobre o nosso telhado, está ultrapassado.

O desenvolvimento da tecnologia actual, e os preços a que se encontra, já nos permite viver da energia proveniente do sol, produzindo a nossa própria energia eléctrica e  térmica de forma sustentável e sem influência das constantes atualizações de preço.

A falta de enquadramento legal para levar adiante este tipo de projectos, é também um assunto ultrapassado. Hoje em dia é possível ser produtor da sua própria energia, legalmente e de forma simples. Uma empresa sólida e com experiência, trata de todo o processo, desde o registo e legalização, até à implementação do sistema, facultando toda a informação necessária de forma sucinta.

Atualmente, com o aumento da eficiência dos equipamentos eléctricos, uma família moderna tem consumos de energia na ordem dos 15kWh/dia. A convergir com este factor, os preços das tecnologias de produção de energia e armazenamento em baterias lítio tem vindo a reduzir, o que permite viver isolado da rede, com um custo aproximado de quinze mil euros.

É um erro muito comum, assumir os valores standard em todo o tipo de sistemas fotovoltaicos, porque existe uma confusão natural na associação de sistemas de autoconsumo com os sistemas de venda de energia à rede. Nos sistemas fotovoltaicos em que a energia é vendida integralmente à rede, a otimização da inclinação, visa o maior rendimento médio diário para todo o ano e geralmente ronda os valores standard. Já no caso do autoconsumo, devemos garantir que o sistema é otimizado para consumir o máximo de energia proveniente dos paineis fotovoltaicos, sem desperdício.

Uma utilização de electrodomésticos bem gerida, com recurso a domótica, pode reduzir o consumo da casa e consequentemente, reduzir o investimento no sistema fotovoltaico. O consumidor tem também a vantagem de poder encontrar no mercado, sistemas modulares que possibilitam futuros upgrades, de forma simples e menos onerosa, o que permite fazer o investimento em várias fases ao longo dos anos, e acompanhar o aumento das necessidades futuras. Esta possibilidade permite também ao consumidor, dar início ao seu caminho para a independência energética, começando por um sistema sem armazenamento, com objectivo de reduzir a factura atual e mais tarde completar o investimento com as baterias para eventualmente se desligar da rede de distribuição de energia eléctrica e alcançar a independência energética.

A produção de àguas quentes sanitárias (AQS) com recurso à energia solar, já é uma realidade bem conhecida e com alguns anos de mercado, mas existem hoje soluções bem mais ligeiras do ponto de vista técnico, com menor necessidade de trabalhos de construção civil e que não afectam a estética da casa – a produção de AQS com recurso a  bombas de calor, usa energia eléctrica como fonte primária para aquecimento, de uma forma mais eficiente o que permite a sincronização com a produção excedente dos sistemas fotovoltaicos, traduzindo-se directamente em energia térmica gratuita.

Com a evolução notável e evidente da mobilidade eléctrica, acrescenta-se aos benefícios falados anteriormente, uma nova forma de independência: combustível gratuito.

O que para muitos pode parecer uma miragem, num deserto de facturas e contas indesejáveis, é já uma realidade, e já encontra empresas especializadas com a solução completa, que lhe permitem usufruir da energia produzida através do sol, tanto para o conforto de sua casa, como para as suas deslocações diárias.

Estes aspectos evolutivos e que já são certezas no mercado, devem ser considerados na fase de construção e remodelação das casas. Esta antecipação permite reduzir custos de investimento futuro e valoriza os imóveis.

Está na hora de por o sol a trabalhar para si.

http://www.zeev.pt/energia/

Bruno Vicente
Director Técnico da ZEEV

385 visualizações no total, 2 visualizações hoje

Sem Comentários

Publicar Comentário